terça-feira, 7 de setembro de 2010

Você pode mesmo comprar?

Na sociedade de cultura consumista na qual estamos inseridos, além do desrespeito ao meio ambiente pelo ser humano, percebe-se o desrespeito do ser humano com ele próprio. Sim, as pessoas vivem em desrespeito com as outras e com elas mesmas, tudo isso em função das compras.

O colapso dessa sociedade começou quando um primeiro ser humano percebeu que teria êxito em muita coisa apenas 'parecendo ser' e não 'sendo', então as aparências tomaram prioridade, e as coisas supérfulas pegaram carona, hoje se tornando mais necessárias do que realmente nos é necessário.

O sistema conduz as pessoas à ver o quão insignificante e ultrapassadas elas são, se não comprarem, e isso acaba sendo 'a nossa verdade'.

Então pessoas fazem amizade mais fácil com pessoas que tem algo, e são mais receosas com quem não tem nada, substituimos nossos valores naturais e espontâneos pensando monetariamente. As pessoas ficam e são muito mais simpáticas e formosas quando sabem que você tem grana, e muito mais fechada e robótica quando sabe que você não é nada importante ou não possui muitos bens de consumo. Nós viramos robôs pré determinados e segmentamos nossa vida porquê achamos que assim estaremos nos resguardando e tendo mais chance de perpetuar, de durar, que é objetivo de todo animal e ser vivo.

Porém, na rotina do presente, é raro hoje vocÊ ver uma pessoa juntando grana um bom tempo, esperando ver a hora certa e que pode comprar alguma coisa e comprar à vista, ou comprar com convicção, isto é raro. Com as pseudo-facilidades de crédito dadas por financiadoras, pessoas se encorajam nesse sistema de agiotagem-escravista para conseguir bens de consumo do momento, que vão deixar elas com o ego lavado e parecer, parecer alguma coisa, parecer que já comprou realmente aquilo, parecer que está ganhando liberdade, parecer que está num nível mais acima, e não ser, o ser nem existe no vocabulário.

As pessoas tão se comprometendo cada vez mais com quantidades demasiadas de parcelas de carro, faculdade, tv a cabo, celular, internet, deixando sua vida apertadinha sem margem de erro, ou com possibilidade de fazer algo, dai perde o emprego, não consegue manter e então vende o carro com prestações à pagar, perde dinheiro pra conseguir vender e se vê no fundo do poço.

É hora de revermos essa onda consumista nossa, e comprar o que nos é necessário e o que agente pode realmente comprar. O meio ambiente agradece, a sua saúde agradece ficando longe desse stress de pensar monetariamente pra suprir esse ciclo vicioso escravista de consumir e comprar pra ser feliz. Pense nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário